Connect with us

Entrevistas

Entrevista – Lucas Silva

Entrevista – Lucas Silva

Salve amigos do F1 Brasil Clube! Vamos reativar nossa seção de entrevistas. Daqui para frente, vocês poderão ser raptados por aliens e serem convidados a falar de sua vida como piloto, chefe de equipe ou qualquer outra atividade que exerça no automobilismo virtual.

E para a reabertura do bar eu convidei Lucas Silva, mineiro de tudo e piloto da Hattrick Racing com sólida carreira por Turtles Racing e Vakuum Racing. Ele me conta um pouco sobre como parou nesse “trem” chamado Automobilismo Virtual e também deixa um queijo branco para nós como lembrança.

Por Leandro Vieiras

F1BC – Quem é Lucas Silva e quando iniciou sua carreira no Automobilismo Virtual?
Lucas Silva – Em 2010 participei do meu primeiro campeonato com o simulador rFactor, logo fui chamado para fazer parte da equipe Turtles Racing onde participei da T1 -2010 com mod Mini Challenge, terminei a temporada na 8º posição, e na T2-2010 terminei com o 2º lugar na temporada, também cheguei a participar da T1-2011 com SuperClio. Na liga F1BC cheguei a disputar uma temporada na categoria Turismo Junior (T2/2011). Após isto, fiquei sem correr por um tempo devido à faculdade, e no ano de 2014 voltei a correr na liga, e o Ronan da Vakuum Racing me fez o convide para disputar a T1/2014 pela equipe, e onde estive ate a T1/2015. E a partir da T2/2015 comecei a disputar pela equipe Hattrick Racing.

F1BC – Quem é sua referência quando falamos de automobilismo?
LS – Sempre, Senna.

F1BC – Como foi sua chegada à Hattrick e quais as primeiras impressões sobre as competições quando iniciou a carreira?
LS – Ciente que a equipe Vakuum Racing pararia por um tempo no final da T2/2015, eu e o pessoal da equipe já estávamos estudando de como seriam as próximas temporadas, e foi quando o Lorencini veio com informação que a equipe Hattrick Racing estava com vaga, então migramos (todo pessoal da junior e alguns da light). A chegada à equipe foi bastante tranquila, o Rafael Sousa e todo pessoal da equipe nos recebeu muito bem. Inicialmente quando comecei no AV, corria com pessoal de alto nível, a primeira corrida a gente sempre tenta não fazer feio (bater/atrapalhar os outros) e chegar ate o fim. Mais em começo de carreira, sempre estava no meio de confusão, isso sem experiência no automobilismo virtual, e aos poucos os acidentes e incidentes foram diminuindo durante as temporadas, mais sempre tive o foco em disputar todo o campeonato sem faltas e de preferencia terminar todas as corridas. Houve muita evolução nos campeonatos: transmissão, interação, analise em tempo real, organização e principalmente o comprometimento dos pilotos em participar e também as atitudes em pista.

F1BC – Qual a sensação da primeira vitória?
LS – Cara, eu sou do tipo mais “seco” em relação a comemoração, não sei como dizer, mais pelo menos fiquei mais aliviado, fica o gosto de “quero mais”, e dá mais motivação de fazer sempre o melhor a cada corrida.

F1BC – Você sempre foi considerado um piloto limpo durante as competições, se envolvendo muito pouco em incidentes durante as provas. Como você enxerga isso?
LS – Com tempo e também com a dedicação, fui aprendendo a não me envolver em “confusões”, ser mais cauteloso nas largadas e nas disputas, claro que uma hora ou outra acaba se envolvendo em algum tipo de acidente e/ou incidente. Mais meu foco é em terminar a corrida independente do resultado, e também com uma boa disputa limpa, já esta valendo.

F1BC – Punta Taco: Hot Lap ou Long runs?
LS – Long runs

F1BC – O que esperar do Lucas Silva para 2016?
LS – Primeira temporada (2016/1) vai estar meio apertado, mais vou tentar esforçar para que participe de pelo menos uma categoria, e a partir da 2016/2 vir com força para o campeonato, verificar o que pode ser melhorado, e tentar repetir temporada passada, em terminar as corridas e evitar acidentes.

F1BC – Para terminar, qual a mensagem você deixa para nós, Pilotos?
LS – Algo que vi e achei interessante. Tanto piloto como equipe. Então, só repassando: “Um bom piloto não é aquele que entrega somente bons resultados, mas sim um que tenha uma boa conduta, que saiba se relacionar com os adversários e com os organizadores. Um piloto campeão antipático ou sem ética vai ter impacto negativo no posicionamento da equipe no cenário do automobilismo virtual enquanto que um piloto do fim do grid simpático e esportivo vai atrair muito mais os olhares para sua equipe.”

More in Entrevistas